quarta-feira, 19 de maio de 2010

O que faz um bom jornalista não são as boas fontes ou o acesso ao maior número de informações. Um bom profissional do ramo é aquele que vive em eterno desassossego, que busca penetrar na aparente calmaria dos fatos para encontrar a intensidade que gera o movimento das coisas e que sempre está presente.

Jornalista de verdade é quem não se habitua facilmente à realidade, quem consegue se manter motivado mesmo nas situações mais adversas pelo simples fato de acreditar que tudo acaba mudando, se transformando.

Um jornalista de alma nunca se cansa, ele bate na mesma tecla até que seus dedos adormeçam e, mesmo assim, ele insiste pelo tempo que for necessário. Se falar parece pouco, o jornalista tem direito de berrar sim, de usar exclamações e apresentar alternativas. Isso é mais que possibilidade é obrigação!

Ser jornalista é mais que profissão é um estado de espírito. É uma crença em novos caminhos, em outras visões, é saber que todas certezas são vazias e que sempre existe algo de novo pronto para ser revelado.

2 comentários:

Evelyn Bastos disse...

Mas heeeein! Forte e bonito isso...é boa essa mabs! hehhe, amiga voltei pros blogs, me adiciona nos teus favoritos aí e passa lá de vez enquando!

Beijinhos!

http://hermeneuticasacanaa.blogspot.com/

Evelyn Bastos disse...

Mas heeeein! Forte e bonito isso...é boa essa mabs! hehhe, amiga voltei pros blogs, me adiciona nos teus favoritos aí e passa lá de vez enquando!

Beijinhos!

http://hermeneuticasacanaa.blogspot.com/