quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Instante Clarice

A sinfonia discrepante das teclas se compõe sob meus dedos órfãos de idéias, dou mergulho revigorante na tela branca buscando escutar o balbuciar de suas vontades tímidas. Não sou capaz de reproduzir outra paz senão esta. Fico a mercê do que possa ser dito, na expectativa infante dos próximos signos e de seus laços mal dados que surgem e se desfazem como delírios fantásticos rompendo a terra ocre da realidade.

A vida irrompe a aridez da tela empalidecida, ganha formas cores e acontece, verdadeiramente acontece. Nada me parece mais palpável. Apenas durante essa incrível submersão a noção de tempo pode ser sentida, o presente está vivo, é vivido, ganha vida no momento que as letras se unem e se seguem.

Aqui não há nada a ser dito, está é apenas uma experiência de alcançar o inatingível, o momento exato da criação, do nascimento, da ocupação de um espaço que não existe e que, mesmo assim, pode se desfazer em um único toque.

Gosto da resignação que o nascimento exige, enquanto as coisas se fazem, eu apenas escorrego os dedos pelas teclas e deixo que o universo se crie no instante em que as palavras determinam. O instante de Clarice, o "instante já" que apenas ela seria capaz de expressar.

Estrelas celestes surgem, mares e piratas com bandeiras cavernosas acontecem no presente mais imediato que a mente atinge. Basta lançar à tela que a vida se faz diante do olhar que a lê, é magia pura, é plenitude vital que ludibria os sentidos e faz tudo significar.

3 comentários:

Jéssica Britto disse...

Estava sentindo falta.. mesmo que p isso tenhas q ter ficado horas olhando p o computador, o pequeno sinal já vale mto e é sempre alvo da minha admiração. Saudade vc!
Bj

Mel Costa disse...

Mabel! É um privilégio tê-la como "seguidora" em meu blog! Fazendo um trabalho na net, encontrei seu blog e me apaixonei! Você que é estremamente talentosa, seus textos são de um aprofundide imensurável! Nunca vi uma prosa com tanta poesia! Espero manter contato contigo, quero aprender bastante e sugar um pouco dessa fabulosa inspiração! Bjs e sucesso!

Anônimo disse...

Escrever um texto, pintar uma tela ou arranjar uma música são formas de conduzir, pela linguagem, a percepção das pessoas através de um ponto de vista do autor. Esse sincretismo não pode ser radical a ponto de criar uma experiência amálgama entre criador e espectador. Mas ao ler seu texto posso dizer que recriei, a minha própria forma, o momento descrito. Você se utilizou da linguagem para construir um modo perspicaz de verbalizar o silêncio e após. Parabéns

G