domingo, 10 de agosto de 2008

Mãos

Algumas linhas entrecruzadas, dez dedos, cinco em cada. As mãos, por certo, são mais que formas, formam, indicam, modelam. As minhas revelam, acima de tudo, um elo. Em cada curva ou linha, desvendem elas o futuro ou não, vejo o retrato perfeito de outras que não as minhas são.

Quanta ironia genética, logo as suas. Aquelas que em outros tempos me carregaram sem esforço algum, as mesmas que com certo desgosto me impuseram palmadas e, já um pouco cansadas, não desistiram de apontar-me a direção. As suas que tão minhas são, me ensinaram tudo ... do sim ao não, do silêncio ao barulho, da mágica a educação.

E como quis o destino fiz das mãos minhas armas para materializar a imaginação. Não escrevo por vocação, apenas por gosto, pelo prazer onírico de versar a vida por meio destas que também são suas e, sendo assim, sonham comigo.

Se antes me carregavam, agora eu as carrego e com elas me desprendo e, assim, me prendo à vida. Minhas mãos me lembram que mais do que eu, sou também você. E, hoje, me alegro por através delas lhe dizer que a cada dia elas me lembram do quanto amo você. 

3 comentários:

Jéssica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica disse...

Lindo!! Quem será esta pessoa tão sortuda e tão amada?? Tu és demais! Bjão

Marta Gentilini disse...

Adoro ler seus textos! Profundosssss, nos fazem pensar e muito!

Ontem tava de bobeira e acabei assistindo ao nosso DVD de Formatura!Saudadeeeeeeeeeee
Momentos únicos e vividos com muita intensidade, né?

Espero que estejas bem!
Mil Beijos

Bom Find!