quinta-feira, 3 de abril de 2008

Amantes

A latência do cálice desnudo absolve os desejos dissolvidos pelo gozo, abençoa os pecados e purifica o profano ...
desperta em flor aos gemidos dos amantes, banhando-os no bálsamo do êxtase, redimindo-os de qualquer penitência.

Reentrâncias, saliências ... geometria perfeita, calculada ... sagrada,
o corpo, templo majestoso, convite ao deleite, ao prazer que escoa em brumas, que batiza com o fel, que espalha o mel e garante aos pecadores seus três segundos no céu.

Um comentário:

FABIH CALDAS disse...

uau.
amo-te.
saudade de novo sua ma-lu-ca.
beijos