domingo, 30 de dezembro de 2007

Monólogo

Aceite! O amor não lhe cai bem.

É preciso leveza para amar e a sua alma está muito acima do peso. Lhe falta um quê de Vinícius para o amor, uma predisposição dos sentidos, uma adaptação temporal e um vestígio de Clarice em suas estantes.

O amor exige dom, é preciso talento para exercê-lo e liberdade de espírito  para senti-lo ... e você, minha cara, ainda está amarrada, confinada em seu relicário e presa às sombras arraigadas nos próprios pecados ... meu conselho? Desista ... vá escrever contos, cortar o cabelo, dançar, ou simplesmente dormir por alguns anos ... Mas esqueça essa bobagem de amor, ele não lhe veste bem.

À falta de luz o amor se esconde, no excesso ele desaparece ... tal sentimento exige meia luz ou um certo de grau de miopia, uma visão um pouco nebulosa, distorcida ... quem ama precisa aceitar essa condição. Não se pode iluminar demais o amor pois assim perde-se o encanto, se vê além do que deve ser visto, se racionaliza o que deve ser apenas sentido ... ma belle, você é alheia a essa irracionalidade, ela te enfraquece e você não suporta a vulnerabilidade ... então vá aprimorar seu italiano e deixe o amor para os  apaixonados.

Sim minha querida, para se obter o direito ao amor é preciso ter o  coração  apaixonado de Quintana, uma tendência nata à rima e não à prosa ... acredite-me, você não se enquadra ao quadro. Fique com a física, com a matemática, com os prédios e os discursos, do resto simplesmente esqueça!

Você coleciona armaduras enquanto o amor exige nudez, prefere o frio ao calor.  No escuro esfrega os olhos, quer mais saber do que sentir ... você se afasta do amor e ele não corre atrás de fugitivos ... pense bem, isso não é tão mal ... ou é?

Você já conhece o processo por inteiro ... mãos dadas, promessas, sonhos, segredos, silêncio, declarações, filmes, canções, noites, dias, flores, cartas e, por fim, o fim. Um dia tudo acaba ... assim de uma hora para outra ... aí vem a rotina e as dúvidas, essas que já convivem com você diariamente... então talvez, você só esteja sendo prática e pulando algumas etapas que tornam-se dolorosas demais quando se está a dois ... pode ser apenas isto: uma atitude inteligente.

Por outro lado, pode ser também que você não tenha se ajustado ao amor por ser covarde demais (ah, tinha esquecido de mencionar: o amor prima por almas corajosas) ... talvez você esteja apenas fugindo da vida por não saber vivê-la e, se assim for, aceite meu anjo ... o amor  definitivamente não lhe cai bem!!!

4 comentários:

Antônio Carvalhal disse...

Lindo...porém...
CONFISSÕES DE UM EMO INTELIGENTE!

UHAUAHUAH

Lindo mesmo...

Antônio Carvalhal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
TÁFFINI BRITTO disse...

"Você coleciona armaduras enquanto o amor exige nudez". Lindo! Texto bom de ler!
Parabéns,
beijos
Táffini

TÁFFINI BRITTO disse...

Tive que colocar um pedacinho do teu texto no meu novo post.

bjs