terça-feira, 2 de outubro de 2007

Cegueira


Lembro-me apenas que estava escuro ... e, assim como descreveu um tal Saramago, a cegueira se instalou ... como quem adormece de pura estafa, sutilmente como um gemido de adeus, meus olhos deixaram de cumprir seu papel ... eu ceguei. Quando não se pode ver o que existe ao redor, tudo torna-se grande demais. É assustador caminhar na companhia do nada, a vastidão do que não se pode enxergar termina por enterrar a alma em uma cova profunda demais para haver luz, mas rasa demais para bloquear os sons.

Eu escuto meu silêncio gritando palavras que nem o breu pode disfarçar, eu sinto tudo com a intensidade que o vazio proporciona enquanto a ampulheta termina de escoar a areia finita. Quando se cega, não é possível olhar nos próprios olhos, os espelhos quebram, e com o tempo você acaba esquecendo do que era ... a imagem se desfaz em escuridão.

Não existe beleza sem luz, não há caminhos ... tudo que se tem é a solidão e a desorientação, de nada servem o norte e o sul, você caminha sempre em direção ao vazio ... se o de Saramago era claro, o meu é escuro ... apagado como apenas a ausência absoluta permite.

Para um cego como me fiz não há mais verdades ou mentiras, o que resta são apenas as incertezas de quem não pode ver ... quando se está sem visão, as lágrimas sempre correm ao nada e secam em absoluta solidão.

4 comentários:

Los disse...

muito bom esse texto guria!!!!
não sei se comento por que posso falar alguma merda hauhauhau, mas busque a luz e abandone a escuridão que te envolve, mas não a luz plena talvez uma pequena faisca esteja próxima de você sendo capaz de fazer tudo a sua volta iluminar.
viajei galo hauhauhau
bjaum!!!!!

Sarah Dal Molin disse...

Na verdade quando nos cegamos é por que não queremos ver a verdadeira face ou porque se torna mais conveniente cegar-se... mas pensar em todas as situações que nos envolvem é um tanto quanto assustador, refletir nas possibilidades que se apresentam, enfrentar os medos, ver a verdade por mais dura que seje, abrir os olhos para o novo, pular novos obstáculos, reencontrar o passado, viver o presente e almejar o futuro... tudo isso é um tanto quanto intimidador, mas acho que não devemos ter medo pois tudo que é novo e verdadeiro é divino e puro e nos faz ser melhores do que somos, piores do que eramos, serve apenas para nosso aprendizado e para percebermos que tudo que está a nossa volta são apenas provas de que existimos e de que temos que nos tornar vencedores e merecedores daquilo que cultivamos, então concluo que viver na cegueira não é a melhor forma de se encarar os fatos e as surpresas que a vida nos guarda, viva na luz e perceberas o quanto a vida tem pra lhe mostrar e tire proveito de cada amostra, leve na lembrança cada acontecimento e aprenda com cada erro.
Um beijão e te adoro!!

FABIH CALDAS disse...

sem palavras.

Juliana disse...

Leio todos os textos... Perfeito!
To com saudades...
Ass: Ju (do fucinho gelado)