sábado, 22 de setembro de 2007

Cilon

Homenagem ao patrono do ATC 2007/2

Se o paraninfo é considerado o “dindo” da turma, pode-se dizer que o patrono é o “pai”. A figura primeira que nos guia durante a caminhada, a mão que ampara nos momentos de dificuldade e, por mais que o tempo passe, permanece lá, atento e cuidadoso observando os primeiros passos dos seus “pequenos”.


Durante nossas trajetórias acumulamos figuras assim, eles aparecem nos períodos de transição, de incertezas, de desafios. Cada um deles representa um pedaço importante da nossa história e fica marcado como o um novo capítulo no livro de nossas vidas. Alguns desses capítulos contam com muitas páginas, outros nem tanto, mas de uma forma ou de outra permanecem eternizados no percurso de cada um. Pois assim é a figura de um pai, discreta e perene.

Refletindo não apenas sobre o título “patrono”, mas especialmente sobre a simbologia paterna e carinhosa que ele induz, nossa decisão não poderia ser mais coerente e unânime. Afinal, cada um dos formandos e dos professores, aqui presentes, encontraram em você, Cilon, um mestre e guia.


Foi você que nos carregou e introduziu ao mundo apaixonante da comunicação, transformando nossa maneira de ver o mundo e nos apoiando na interminável jornada em busca do conhecimento.


Essa nomeação para patrono do ATC 2007/2 não deve ser lida apenas como uma forma de reconhecimento a sua incansável dedicação, mas sim como um sincero e emocionado MUITO OBRIGADO! Uma tentativa singela de dizer-lhe que se hoje estamos aqui é graças ao seu empenho, que nossas conquistas hodiernas e futuras iniciaram junto as nossas primeiras aulas de Teorias da Comunicação e que, a sua imagem, será para sempre um exemplo e um símbolo para cada um de nós do que é ser um verdadeiro Comunicador.

Como mestre persistente, você nos mostrou através de suas convicções que um ensino de qualidade cria profissionais competentes e conscientes de sua função social. Como um “pai” escolhido, você nos apresentou um novo mundo, humanizou a comunicação e nos fez amá-la.

Sua múltipla figura há mais de 40 anos vem formando, educando e sendo parte de cada estudante que passa pela Escola de Comunicação da UCPel. Sua presença enobrece e cativa, suas aulas ensinam a pensar a comunicação e a reconhecer a fundamental importância deste pensar. Além disso, sua incessante persistência em desenvolver junto com os alunos um pensamento crítico sobre os meios de comunicação, suas mensagens e a importância do receptor neste processo, é algo que perpetua em nossas mentes como uma eterna referência.

Por isso e pelo que as palavras não conseguem expressar, gostaríamos de agradecer pela honra de tê-lo como parte de nossas vidas seja como mestre, como guia, como um “pai”. Mais uma vez queremos agradecer!


Saiba que através de suas pegadas iremos seguir e construir nossos próprios caminhos: iluminados, sempre, pela sua contagiante paixão pelo maravilhoso mundo da comunicação social.

Um comentário:

Antônio Carvalhal disse...

Essa aqui valeu quase um infarte...
Sensacional!